segunda-feira, 16 de novembro de 2009

A Espera

1. O que espero da vida? boa pergunta - tantas coisas... -Que ela seja mais humana! -Desencana.
-Que o sol nasça para todos! -Discurso tolo.

2. O que a vida espera de mim? Pouca coisa, pois sou parte de um todo, perdido no imaginário de um globo, que inventou tantas coisas, edificou moinhos de vento, mas esqueceu do irmão sedento, semeou tranformações, colheu desilusões modificou situações.

3. Criou valores, enriqueceu penhores, os senhores da situação. Esqueceu o irmaõ sedento, rebento de sonhos,cancioneiro sincero, amigo que quero, de uma amizade que espero seja sincera, burilada, cultivada e mais nada!

4. A vida tem seus segredos, suas máximas, seus rochedos, a natureza clama de tanta devastação em seu seio.Os filhos da terra divididos em seus anseios,esquecem o que acontecer com ela os envolverá de permeio.

5. Tanto consumismo, muitos ilusiosnismos alguns casuismos, prá nada meu irmão camarada!

6. Vida difícil, incrível, mas vale a pena vivê-la vê-la da contramão, percebê-la em qualquer situação,desviar-se dos miasmas, ouvir mais o irmão que passa, valorizar o pulsar do seu coração construir com ele o momento, não destruir seus sentimentos, viver com ele o consenso, entender seus sonhos, interagir o entendimento.

7. Muitas vezes remando contra a maré, andando sobre lodos de loucos calabouços, cantando no ritmo da nova era que nos espera, onde os pássaros enxergarão novamente, os rios soberanos se encontrarão, a rima fará sua morada nos abismos sem casuísmos,onde o sol, a lua, as estrelas nascerão para todos e não haverá mais discursos tolos.

Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário