segunda-feira, 18 de maio de 2009

Raciocínios do encontro

                                   RACIOCÍNIOS DO ENCONTRO

1.Não tenho sangue de capataz nem me julgo capaz de realização nem guardo a pretensão de grandeza.

2.Viajo no infinito, continuo, me lanço no desafio quase nulo de ser poeta mínimo, do absurdo... entendam os que porventura num clique desavisado  lerem estes rabiscos desencontrados.

3.Que teimam em exercitar a faculdade do encontro um ponto de apoio na areia movediça de sentimentos estranhos longe dos casuísmos que constrangem a livre, leve inpiração.

3.Perseguir em cada ponto assimilar os meandros de intenções verdadeiras porquanto o simples viver traz tonalidades sorrateiras, desencadeia rasteiras, põe à prova as fronteiras da imaginação no lusco fusco de conceitos vãos.

4.Outras vezes mostra-se forte, fraco robustece a experiência anula feitos não direcionados.

5.Se é confusa a minha mente ela perece do mal sempre presente sonhar de menos, realizar de mais, mas encantada está, sempre à espera do mundo bom das certezas empíricas.

6.Amadurecido estou, apanhei bastante e de meus erros passados pretendo restabelecer a ordem para que no fim que me aguarda haja a meu favor um ponto de bondade.

7.Quando alguém ler os versos que escrevi possa dizer: Ele peregrinou a sorte, errou, acertou, e finalmente subiu ao pódio da misericordia.

Helder Chaia Alvim
Postar um comentário