terça-feira, 12 de maio de 2009

Poeta do Nada.

1."Ele é poeta de nada", alusão clara aos meus trabalhos na poesia. Sem mágoas, resolvi pensar a respeito e cheguei a conclusão que a pessoa tinha razão ao dizer isto deste que escreve: desconhecido nos meios editoriais, desprovido de grana, mas que procura com garra ,nos versos encontrar o nada que se estabelece e que analisa.

2.A reflexão veio e com ela a convicção sensata da firmeza das minhas intenções, que não escondo de ninguém:
procurar, procurar o mundo bom nas rimas e entrelinhas da vida que passa.Deus sabia o que fazia, das cinzas frias criou Adão no paraiso, Eva mãe de todos os viventes, acredito. Houve no início dos tempos, segundo o livro do gênesis, uma grande rebelião, anjos não conformados com as determinações de harmonia estabelecidas pelo criador, propuseram ser deuses, foi quando Lúcifer se revelou, uns acompanharam sua incitação, outros pagaram para ver o desenrolar da confusão, conclusão os revoltosos desceram para os lugares inferiores e aterrorizam a terra com seus pavores. Miguel Arcanjo antes havia desafiado:"Quem é como Deus?" e liderou bilhantemente a primeira grande batalha, saiu vencedor com seus anjos aliados,1/3 da mílicia divina fora destronada de sua posição. E aconteceu o inevitável os mortais encontrariam-se no fogo cruzado, com livre arbítrio decidiriam o lado acertado.

3.Voltando ao assunto do começo, penso ser o nada o ponto de partida de grandes empreitadas.Luis Vaz de Camões, que o diga, viajou por distantes terras, combateu, sonhou, conquistou em Ceuta, conheceu Dinamene e nos Lusíadas se celebrizou. Do nada Dante viajou para o inferno, céu, purgatório na divina comédia;Vicent Van Gogh, do nada encontrou tintas de inspiração, plasmou cenas que hoje valem uns míseros milhões de dólares, né. Di Cavalcanti, Portinari, Tarsilla, Salvador Dalli e milhares deles nas galerias da admiração encontraram o ponto de partida para a deflagração positiva de anseios que do nada revelaram obras geniais, etc e tais...

4.Se a aparência engana, quase sempre, julgar a opinião alheia é tarefa difícil, não pretendo ensair a resposta, é melhor prosseguir nas rimas de nada, pois quem sabe aparecerá quem possa me compreender e será um motivo a mais, um incentivo precioso que vale muito ouro. Semanas depois, ele apareceu, um amigo, entendeu o que se passava comigo e disse: - Poeta, não desanime, aparelhe as linhas, converse com as rimas, conserve a serenidade, fique firme nas rinhas da emoção. Eu já pisei chão batido, já assumi o acontecido, cuido do meu recado,estou estabelecido na augusta paulistana, tenho amigos, espôsa, filhos, netos, de nada mais preciso.Valeu, irmão Valdeci Taveira de Lima pela menção que me anima a continuar... Vou lembrar de seu conselho e para sinalizar assumo o nada. Haja tempo, tiro folga, com holerite fino, na profissão de chapa ou estivador de sonhos vou continuar, calmo, no descortínio de um mundo melhor, confidente de sonhos perdidos, partidas ilusões, entardeceres consumidos pelo tempo não correspondido.

5.O poeta do nada apresentou sua elucubrações, vê na poesia a fonte perene de inspirações,se é pobre nos conceitos no seu peito trovador renasce a cada dia anseios de viva cor, na tinta da poesia vê a saída para um mundo que se esvaí no materialismo e torce para que retome as sendas do verdadeiro valor. E que cada um no seu canto estabeleça parâmetros exatos, não oculte o calor humano, escute os cantos solidários que do nada enchem as folhas soltas de retalhos.  Se me embaralho nas palavras, vôo livre,coração aberto nos declives revelados, se disse nada,me perdoe, se acrescentei algo de novo na presente partitura, sinto-me feliz e na lisura de nossa amizade finalizo dizendo mais um verso:

A você que compartilha comigo verdades que sofre com falta de ombridade,não desfaleça, pois na curva de um caminho a realidade vai mudar, o tão sonhado mundo bom vai chegar.Minore as dificuldades,priorize as potencialidades da alma que canta,em meio à tanta desolação,nascerá um mundo novo e os poetas do povo poderão refletir e do nada prosseguir suas antenações...

Ao finalisar resta-me analisar: Poeta de nada, sem mágoa ou cousa que valha, atesta sua nulidade,tantos versos entalhados na sinceridade,noites mal dormidas,de insônias provocadas,sufragam seu bom humor.
A citação clara, não atrapalhou meu pensar, se soubesse o bem que me fez,proporcionou-me este canto atilado,baseado na sensatez.As pedras rolam, rolam e encontram um amparo de cada vez agradeço o aviso ,
ter despertado neste andarilho do espaço a disposição renovada de ir em frente anotando versos do coração simples.
Valdeci, meu fio cabra bom tá aí vê se põe para este poeta de nada um gole da pinguinha rainha,pendura que prá semana a conta é minha.

Helder Chaia Alvim






Postar um comentário