segunda-feira, 3 de agosto de 2015

os cílios sensoriais do mundo bom

              Os cílios sensoriais do mundo bom
1.       Um momento feliz da raça humana aconteceu no paraíso. Os progenitores receberam do Criador dons variados, excepcionais, anímicos, empíricos;  receberam gratuitamente a terra e seus segredos, a fauna e a flora, o obsequio da imortalidade, da ciência infusa; o belo casal Adão e nossa mãe Eva eram em toda a extensão da palavra os reis plenipotenciários de um mundo perfeito.
2.       Tudo ia bem , muito bem! Matizes de cores, luzes diáfanas, harmonia, paz e uma infinidade de mimos exuberantes, até que um dia narra o gênesis foram submetidos à grande prova existencial, pois por lá apareceu o anjo decaído em forma de serpente, e Eva primeiro, depois Adão não satisfeitos com as maravilhas obsequiosas de Deus, anuíram as propostas do tentador deliberadamente...
3.        A proscrição teve a medida da ira e justiça do alto, e o pior aconteceu, abandonaram o seu habitat de delícias e se embrenharam na natureza como a fugir dos olhares de bondade, encontrariam uma terra inóspita, de espinhos, pedras e abrolhos, conheceriam o suor, o trabalho, a morte.
4.       Foi quando nas primícias do tempo derramaram as primeiras lágrimas que se tem noticia, lágrimas amargas que os  acompanhariam e a seus descendentes até a consumação do grande dia de acerto de contas geral.
5.       No momento  que entrou o mal no mundo, Deus prometeu-lhes uma segunda chance, disse-lhes que viria o Salvador, nascido de uma Virgem, e que entre ela e a serpente teria uma inimizade eterna.
6.       Lágrimas avolumadas até o diluvio do patriarca Noé,  e renasceu a esperança em forma singela com a pomba, o ramo verde, e a paz soprou uma brisa suave de reconstrução universal.
7.       Natureza decaída pelo primeiro pecado ovacionou a impiedade em Sodoma e Gomorra, levou o povo eleito à escravidão trocentas vezes, até despontar José, o pai adotivo do Deus Humanado, a concepção por obra do Espirito Santo quando uma Virgem  deu a luz ao menino Deus e o envolveu em panos numa manjedoura na gruta do Rei David em Bethelem.
8.       A s eras históricas se encontraram por ocasião do primeiro natal, as profecias se realizaram  ponto por ponto e o Sol de Justiça, o esperado das nações brilhou a esparzir calor, bondade e esperança de novo na terra dos homens. Revoada de anjos, tropel de camelos, flauta de humildes pastores achegaram-se,  todos juntos para louvar o rei dos reis, o redentor da humanidade.
9.        Lutas, amplidões em descortino, cascatas e mais cascatas de choros sentidos, fé simples e firme, dons e milagres marcaram os primeiros quatro séculos da Igreja que nasceu do gólgota salvífico.
 10.  E a barca do humilde pescador chamado Simão Bhar Jonas singraria mares,suas sandálias  subiriam montanhas, atravessariam planícies e descampados para anunciar o Evangelho por toda a parte, contando com a assistência do paráclito de fogo, o Espirito Santo prometido do Pai altíssimo senhor do tempo, da vida, da morte e da história.
  11. Assim foi e a historia foi escrevendo feitos, santidade, imolação admiráveis e o universo tornou-se a pátria dos seguidores do caminho, tanto que em África bendita nos depararemos com o gênio de Hipona, Santo Agostinho a saudar os bárbaros como os pilares de uma nova civilização que se esboçava nas conversões de muitos senhores da guerra.
12.   A Idade da Luz nasceria deles, deles seriam os primeiros impulsos de união entre fé, Igreja e razão, eles ergueriam impérios, templos, castelos e harmonia social, arrojo e vôos empíricos de primeira grandeza, lampejos do que seria a Era do Pater Noster  inteiramente gradual e anímica.
13.   Mais uma vez o anjo decaído meteu seu garfo incandescente na matula da humanidade, remexeu paixões descontroladas, insuflou o paganismo para reviver na sociedade mil e seiscentos anos depois de Cristo, a era da balburdia deliberada.
14.   Que se estenderia até os dias atuais, tumultuados, afônicos, do  caos  em  ebulição,  ‘do jeito  que o diabo gosta’, não sem antes passar pela vez das navegações, e quase o tinhoso perde a parada, pois no novo mundo a cruz de Cristo precedeu aos descobrimentos, e as novas terras trariam a cada dia noticias de feitos heroicos, evangelizações e conversões aos borbotões. Nóbrega, Anchieta, Francisco Xavier entre outros vislumbraram o porvir... e se dependesse deles teria naquela ocasião surgido o mundo bom...
15. O ‘ coisa ruim ‘ evoluiu para baixo o pensamento, idealizou a tal era industrial, implantou absolutismos, soprou a discórdia, açulou mando e poder, implantou conflitos, guerras  e as lágrimas voltaram a correr em um mar de tristezas mais uma vez para a humanidade e milhões pereceram de  lá para cá nas mãos da insensatez e por pouco não se deu a escatologia da humana raça com o enriquecimento do urânio... e sua aplicação prática em Hiroshima e Nagasaki ... que horrores a guerra trouxe e traz todos os dias no quatro cantos do mundo. Te-se a impressão nítida  que trata-se de formiguinhas pitando o Criador e ferroando as outras irmãs!
16.  A terra quase esboroou sua fuselagem, depois esfriou e apareceu a tecnologia e mesmo assim não faltaram as lágrimas, intolerâncias, ceticismos e ausência quase completa de senso comum e calor humano. Ah! o  ter dos infernos gradualmente  prevaleceu ao ser da alma, perdeu-se a calma e as crises existências apareceram em plena luz do dia, nas redes sociais da comunicação em tempo virtualmente real.
17.   E em pensar que estaríamos em todas as camadas do conhecimento mais evoluídos se não tivéssemos tido estes tropeços, dá pena só em imaginar e se fossemos a fundo na constatação dos pseudos benefícios do progresso, sobejaria choro amargo e faltaria o ar no pulmão da terra.
 18.  Hoje as interrogações pairam sem repostas acertadas, e não há lente phd que as possa equacionar, ou estadista, politico que venham a decifrar o enorme engodo a que se encontra atolado o mundo.
  19. A única certeza certa que se tem é que Deus acompanha as manobras escusas  no planeta que ele criou com tanto mimo e gosto pensado, e sem interferir no livre arbítrio conduzirá os corações, e mais dias menos dias vai equilibrar a balança e devolver à sua criatura a felicidade ancha que ela perdeu no mar de desenganos...
20.  Quando a ultima folha do sicômoro despencar em meio a este tremendo entroncamento  psico - social conectado  muitas das vezes ao absurdo, os anjos arcanos descerrarão as cortinas do tempo, e após as tribulações  universais,  uma monção  suave soprará na soleira da terra dos homens  um vento suave e diferente qual brisa da primeira manhã no paraíso...
 21.  Então os cílios do homem novo enxugarão as lágrimas ocasionadas pelo principio do mal, o sacrifício do gólgota não terá sido em vão, será a era da ‘ doce esperança, da bondade infinita, do orvalho benfazejo’ para a humanidade e terá o exuberante e puro perfume da Rosa Mística de Eleição!
22. Uma tarde amena de agosto em São Paulo, uma missa abençoada  me trouxeram a convicção que então os rios soberanos do bem comum se encontrarão, os pássaros voltarão a enxergar, as rimas, ora as rimas dos poetas do povo, meus chegados farão sua morada nos abismos sem casuísmos.
23.  E eles  poderão tranquilamente escrever acerca deste novo tempo quando a terra dos homens conhecerá em toda a extensão empírica as verdadeiras alegrias. Então somente então a mais pura rosa saída das mãos do Divino Senhor desabrochará com perfume de jasmim.
Helder Tadeu Chaia Alvim


  
Postar um comentário